quarta-feira, 13 de abril de 2011

Pés descalços

O caminho é longo e eu vou de pés descalços.
No começo, só alegria, grama fofinha.
Eis que a grama acaba e começo a sentir pedrinhas.
Pelo menos, estou livre dos cacos de vidro.
Folhas secas no chão e o tempo esfria.
Começo a questionar o caminho.
Será que o rumo compensa?
Chuva cai, tudo fica escorregadio.
E vento parece indicar a direção, mas caminho como se esquecido do lugar onde queria chegar; talvez distraída com os espinhos.
Sonho com o dia em que o tempo vai abrir e esquentar os meus pés molhados.

Talvez, então, já esteja no destino, ou este tenha mudado mais uma vez o caminho.