segunda-feira, 18 de julho de 2011

Relógios

Não perco tempo com relógios,
eles nunca pararam no meu pulso.
Três ponteiro limitando meu dia me parece uma bobagem absurda.
E depois, eles nunca foram capazes de acompanhar o meu tempo.
Quando estou feliz, eles giram rápido.
Quando estou descontente, os minutos se arrastam como se fossem horas.
Como é possível confiar num instrumento que prolonga o tempo do sofrimento e encurta o da alegria?