segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Intensa

Sinto cada segundo tocar o meu rosto como um pingo de água da chuva.
Alheia aos ponteiros do relógio, giro, alienada do tempo.
Passaram-se momentos...
Lembranças que escorrem com a água.
Alma leve.
Não choro, é a chuva quem leva.
Lágrimas do céu, molham meu sorriso.
O sol me cega e, então fecho os olhos.
Vejo a lua e viro estrela.
Me esvaio num brilho único.
Em meio às nuvens, te sinto presente.
Me faço presente.
Sigo no presente.
Passado ausente.
Futuro irreverente.
Sinto, faço e oriento meus passos de acordo com minha imaginação.
Vou à loucura, passo da lua, acordo num beijo e sou toda tua...