terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Não diga nada

Viver o amor até que me faltem as palavras.
Então, calo, mas meus olhos dizem: te amo!
O vento sopra e sinto que me toca.
Meus Olhos apenas refletem você, estrela.
Não quero ser metade, dar-me-ei por inteira.
Quisera ser alma gêmea.
Um dia seus olhos irão cruzar os meus e, assim, silenciosamente, deixaremos nossa marca no mundo.

Não vejo seu rosto, mas te sinto em mim.
Num dueto composto te encontro sem fim.
Solidão vai embora e sentimos o que jamais será esquecido.
Não diga nada, te ouço há tempos com a alma.
Da minha noite, faça o teu dia e brilhe no sol do teu sorriso.
Esqueça mesmo do mundo, vamos inventar um universo onde possamos dançar na lua.

Sentir pleno
O coração batendo
Ausência de fronteiras
Raízes que ganham pés e caminham
Sonhos, asas e voam