terça-feira, 3 de março de 2015

Vida corrida


vida corrida que passa a esquina.

passa a porta, passa o carro

e o cachorro parado abana o rabo

vida intensa, vida feliz

vida que não é possível ter bis

escrevo por escrever

sem pontos, apenas algumas vírgulas

a pressa e a necessidade conduzem meus dedos pelo teclado

há tempos abandonei a agenda que usava de caderno

comprei um caderno bonito florido, mas as ideias se foram

restaram folhas traçadas em branco

a pintura da pintura também está inacabada

algumas coisas ficaram por não se acabar mesmo no ano passado

este novo ano hão de ser concluídas

ou talvez esquecidas

ou adormecidas

quem sabe um dia acordem e se resolvam sozinhas

enquanto isso pincéis empoeirados, tintas paradas, canetas cheias de carga